20.11.15

SABE O QUE É SPANKING? - UMA PRÁTICA #BDSM ...

Iniciamos hoje uma série de postagens - com a colaboração do BDSMer Fluminenses - Casal "Sr. T e V" - sobre as práticas BDSM, que podem ser utilizadas para castigo, humilhação, afirmação de posse, prazer ou sadismo.
O jogo de poder na D/s é amplo, passando pelo domínio de um e a obediência do outro e toda uma gama de experiências que passam pelo físico, mental, emocional, sempre dentro desse domínio.
Para que esse jogo funcione, alguns componentes entram em cena, são os fetiches e fantasias que possibilitam vivenciar novos sentimentos e sensações, que são experimentadas através do que chamamos de práticas, aplicadas pelo Top (quem comanda) no bottom (quem se submete).
Todas as práticas feitas numa relação D/s passam pelo crivo do SSC (São, Seguro e Consensual) e a escrava está ali para ser usada pelo seu Dono, mas ciente e consentindo com tudo. O mais importante na D/s é o comando de um e a obediência de outro. De acordo com V, escrava do Sr. T "não tem nada melhor que ser usada por aquele a quem escolhemos servir".
Grande parte dos casais D/s marcam sessões e se encontram com essa finalidade, para fazer determinadas práticas, ou seja, um encontro exclusivamente para a sessão.
No caso do Casal "Sr. T e V", por dificuldades da distância, não marcam uma sessão, eles tem encontros onde várias coisas acontecem, inclusive sessões. "As coisas vão acontecendo sem estarem previamente combinadas, mais ao sabor do momento e do desejo".
As práticas dos BDSMer podem ser mutáveis - De repente pode surgir o tesão por uma prática nova e nunca experimentada. 
As praticas mais usualmente são:
Spanking
Chuvas (dourada e de prata)
Velas
Bondage
Humilhação
Pet Play - Dogwoman
Exibicionismo
Fisting
Dilatação Anal


SPANKING - prática do espancamento - é a atividade mais popular no mundo do BDSM. Assim como qualquer prática, pode tomar conotações diferentes dependendo do momento. Pode ser feito de várias formas e intensidades, dependendo do gosto e/ou sadismo de quem o aplica.
Pode ser usado como castigo, para humilhação ou por simples prazer. Os acessórios para spanking são muito variados - chicotes, canes, talas, palmatórias, varas, chinelos, cintos ou simplesmente as mãos.
Entretanto, quando se trata de spanking é preciso saber onde bater para não causar prejuízos graves à saúde do Bottom (Termos normalmente usados para identificar pessoas que interagem em sessões ou em atividades BDSM).

Zonas Verdes - áreas seguras
Zonas Amarelas - áreas de risco
Zonas vermelhas - áreas perigosas
Círculos roxos - áreas críticas

 
 
 
 

O Casal "Sr. T e V" pratica spanking moderado, nada daquelas marcas roxas ou sangue escorrendo. "Meu Dono pode pegar o que estiver à mão, um cinto, a guia da minha coleira, uma corda... Ele não usa chicotes porque são para spankings mais pesados e o que mais gosto é do toque dele na minha pele, por isso gosto mais quando me bate com as mãos". explica V.
V não é masoquista física. "Minha relação com a dor é sentir dor mesmo. No entanto, de algumas dores aprendi a gostar como nos seios, mamilos, genitália, que por serem zonas erógenas acabam provocando prazer ao toque, mesmo que seja em forma de spanking".
"Para qualquer uma dessas partes eu sempre vou achar mais gostoso se for com as mãos porque sinto o contato da pele dele. Mas é óbvio que qualquer Dono que leia isso vai pensar: "Então você quer moleza, né? Me aguarde..." (Deus me ajude que meu Dono não leia rsrsrsrs)".

 
 No caso do Casal "Sr. T e V" o Spanking acontece na intimidade, nunca em público porque eles não participam de plays públicas e na rua seria impossível por motivos óbvios. "Mas posso levar uma ou várias bofetadas em qualquer lugar, depende do motivo e/ou do tesão".
"É preciso ressaltar que o spanking, assim como qualquer prática BDSM, tem a finalidade de provocar prazer, satisfação ou realização. Os masoquistas têm genuíno prazer com a dor. Eu, V, não sendo masoquista, tenho satisfação em proporcionar prazer ao meu Dono, o que é também um tipo de prazer."
Dentro de uma sessão ou cena, seja ela pública ou privada, existe uma forma para o bottom parar a prática caso esteja sendo desconfortável ou mesmo insuportável para ele: a safe word ou palavra de segurança. Ela é combinada previamente entre as partes e é o sinal vermelho para que o Top saiba que o bottom está no limite de suas forças físicas ou emocionais e não tem mais condições de continuar.
BDSM não é agressão, é um jogo consensual entre adultos.

 
 
 
 
 

3 comentários:

{Λїtą}_ŞT disse...

Gostei muito, Leo!
Muito bem explicado, bem ilustrado, elucidativo, vc arrasou!
Muito bom ver o BDSM ser mostrado assim, de forma imparcial e demonstrando a realidade dos fatos.
Muito bom... parabéns!

Beijos

Meiguinha disse...

Credincruz! Se isso é gostar de mulher...

luah negra_DOM JH disse...

Adorei a matéria , Leo...o BDSM mostrado com seriedade, muito bom.
Aguardo pelas próximas .
A prática , quando apreciada e bem aplicada , oferece sensações indescritíveis .
Ótima escolha da matéria e do casal entrevistado .
Sucesso sempre .
Abraços .