26.8.09

HELÔ NUA&CRUA

Eu apenas tento sorrir e fazer sorrir, sempre. Sou movida pela alegria, irreverência e a busca do meu auto conhecimento constante... Uma eterna aprendiz de mim mesma e dos astros, enquanto viva eu for!
Helô Müller

O TalksexI do mês de agosto é com a carioca Helô que mantem no ar o Blog Helô Nua & Crua.

Leo: Como surgiu o Blog Helô Nua & Crua?
Helô: De abril de 2008 pra cá eu me vi inspirada a escrever coisas, não falo poesias, pois estou longe disso, então resolvi abrir uma comuna no Orkut com o nome ‘Helô fazendo Arte’ e me dediquei a ela de corpo e alma.
Leo: E o Blog surgiu dessa comuna?
Helô: Sim, com poesias de um modo geral. Mas quando encerraram a comuna fiquei sem nada por uns meses, até que resolvi tentar um Blog.
Leo: Devia ser algo comportado (difamilia)
Helô: + ou – Pois além das poesias normais, eu também publicava poesias eróticas de grandes poetas, como as de Drummond, por exemplo, sempre com imagens afins! Imagine esses poetas com suas poesias eróticas ilustradas? Lindo demais concorda?
Leo: E porque o erótico?
Helô: Tinham outras tantas opções, mas nada vulgar! Tudo com muita arte e sensualidade, pois detesto vulgaridade... Gosto da arte sensual com erotismo com classe!
Leo: Com essa carinha de boa moça podia escrever sobre trico, crochê, filosofia...
Helô: Gosto disto tudo que falou e mais ainda do erótico!
Leo: Voce acha o SeximaginariuM vulgar?
Helô: Não, Você escreve de uma forma não vulgar, mas quanto às imagens...
Leo: Fica "vermelha" com elas?
Helô: Jamais ficaria vermelha, até porque eu queria era estar vivendo as situações das fotos! Mas não usaria aquelas. Voces homens são mais diretos em tudo. As mulheres são mais românticas e sutis.
Leo: Seu blog faz sucesso, voc ê dosa bem o erótico, as poesias e as fotos!
Helô: Tento fazer isso, mas eu não sou pudica e nem moralista. Gosto de tudo que diz respeito aos desejos da pele, de erotismo e sexo, mas não gosto de sexo por sexo, gosto do romance.
Leo: O que te excita mais o texto ou imagem?
Helô: As duas coisas, mas a imagem fala mais alto e mexe com as vísceras !! E as meninas dos olhos ficam excitadíssimas!! rs
Leo: Qual o público que frequenta seu blog, seus 158 seguidores?
Helô: Essa coisa de seguidores é muito relativa, virou uma cordialidade meio que imposta. Na verdade muita gente nem lê os posts. Vai ao Blog alheio pra irem ao dele! Se você puser mais de 6 linhas já não lêem porra nenhuma .O povo tem preguiça muita preguiça de ler ! Mas existem os que lêem sim.
Leo: Existem vários blogs "sexuais" escritos por mulheres. Você acha que é uma forma delas "colocarem os monstros pra fora"?
Helô: Eu acho que as mulheres que fazem isso (blog) já estão libertas! Acredito que todas elas sejam bem resolvidas para usar e abusar de sua sexualidade!
Leo: Vamos apimentar esse Talksexi - O que você acha dos “brinquedinhos” femininos?
Helô: Acompanhada de um parceiro que goste e que já tenha liberdade na cama é bom demais usar uns brinquedinhos. Eu adoro sexo, filmes de sacanagem e derivados, contanto que eu esteja com o homem que eu ame e que também me ame!
Quando estou só faço "justiça com as próprias mãos"
Leo: E as fantasias e formas de sexo como swing, por exemplo...
Helô: Sabe o que acho com relação a ousadias no sexo? Acho que a partir do momento que se inicia algo mais ousado a tendência é cada vez querer mais. È como um monstro, uma fera que se apodera da pessoa... Quanto mais faz mais quer é um saco sem fundo!
Leo: então voce acha que o melhor é colocar limite no sexo?
Helô: Um casal entre 4 paredes jamais! A partir do momento que não role mais isto basta que cada um vá procurar a sua turma...
Leo: Quer dizer que dois casais entre quatro paredes nunca?
Helô: Voce perguntou se era pra ter limites entre um casal e eu respondi não, jamais!!!! Entre 4 paredes tudo é possível, até porque quando não combina a gente já sente na 1ª trepada. Mas eu duvido que alguém que se torne o swing de forma usual, se satisfará a viver definitivamente sem ele. Não falo de brincadeira, ver como é, falo dos que fazem usualmente, até porque quando assumiram esta postura, já faltava algo mais entre o casal.
Leo: Uma fantasia
Helô: Sexo grupal
Leo: Uma boa tranza é...
Helô: Com muito tesão e intimidade
Leo: Uma tranza ruim é...
Helô: Sem intimidade
Leo: O que te broxa num homem?
Helô: Nojo de alguma coisa!!! Homem nem sempre gosta de xoxota
Leo: Como nao gosta de xoxota??
Helô: Homem que não gosta de chupar uma... rs. Tem homem que tem nojo não gosta sim tem e muito só gosta de ser chupado.
Leo: Um lugar ideal para fazer amor
Helô: Na cama. Gosto de conforto, no máximo um bom tapete
Leo: O lugar mais esquisito que ja transou
Helô: Dentro de uma lixeira antiga na cidade!! rs
Leo: Bem, terminamos!
Helô: Adorei!

23.8.09

GUY BOURDIN

Guy Bourdin (1928-1991), um dos mais importantes nomes da fotografia de moda, tem seus principais trabalhos reunidos na exposição "A Message for You", em cartaz no MuBE -Museu Brasileiro da Escultura, entre 14 e 31 de agosto. A mostra é a terceira do projeto Iguatemi Photo Series, que já trouxe ao Brasil as obras de David LaChapelle e Rankin.
São 177 trabalhos publicadas em revistas, fotos inéditas, campanhas de grandes grifes e ainda curtas-metragens e seus pioneiros editoriais em movimento. Neles, é possível perceber um olhar que mistura luxo, glamour e erotismo com boas doses de violência e ironia.
Nascido em 1928, na França, Bourdin passou boa parte de sua juventude vivendo o pós-guerra em Paris. Em 1954, entrou para a Vogue francesa, onde trabalhou por mais de 30 anos. Nos anos 1970, o fotógrafo já aparecia nas páginas das principais revistas de moda do mundo. Trabalhou também para a Harper´s Bazaar e fotografou campanhas publicitárias para as marcas Chanel, Issey Miyake, Emanuel Ungaro, Gianni Versace, Loewe, Pentax e para a loja de departamentos Bloomingdale´s. Era colega de Helmut Newton, foi pupilo de Man Ray e influenciado pelos surrealistas Magritte, Balthus e Buñuel. Guy Bourdin inspirou trabalhos de artistas como o fotógrafo David La Chapelle e o cineasta David Lynch.
"Guy Bourdin: A message for you"
Visitação: 15/08 a 31/08, das 10h às 19h
MuBE - Museu Brasileiro da Escultura
Avenida Europa, 218, Jardim Europa
Entrada Franca

UM OTIMO EMPREGO

No intuito de incrementar o ecoturismo no município, a prefeitura de Conde, na Paraíba, instituiu concurso público para o cargo de "segurador de jegue”.
Cargo: SEGURADOR DE JEGUE
Local de trabalho: praia de nudismo de Tambaba.
O salário de R$ 350,00 não é lá grande coisa mas é o que menos importa!

19.8.09

LESBIAN CHIC

A polêmica fashion do momento é a campanha publicitária de uma marca de sapatos “para moçinhas” estrelada por Juliana Paes e Cléo Pires.
As duas estrelas globais foram fotografadas por Gui Paganini em uma piscina no maior clima "lesbian chic".
Cléo Pires acredita que a polêmica é apenas falatório. "Eu achei o ensaio bem sensual. Eu não senti polêmica. Eu acho que as pessoas gostaram. Esse papo lesbian chic é uma fantasia da cabeça das pessoas.”
Já Juliana Paes acha que lesbian chic é passado, “é um termo tão antigo, na minha cabeça pelo menos. Toda vez que tem fotos sensuais e tem duas mulheres, pode se levar a crer que é lesbian chic... Mas, os rótulos não me importam muito"
Perguntada se ela já teve alguma experiência do tipo, entre muitas risadas disparou:
"Essa pergunta não tem como responder mesmo".

16.8.09

PRISCILA BBB

Passei na banca e comprei a revista PLAYBOY de agosto, recheada de fotos da Priscila BBB! É isso mesmo, assumo, comprei para ver as fotos da gordelícia! Não comprei para ler a entrevista de Cristiane Torloni, nem pra saber quais são as 10 melhores cachaças do Brasil. Queria ver essa gostosa peladinha! Vou dividir algumas fotos com vocês leitores do SeximaginariuM.
Duas coisas: Ela tem carne e é gostosaaaaaaa. A outra, tem pelos na Xoxota!

15.8.09

PAU PEQUENO

Do Blog só dói quando respiro* da Ana Paula
Esse é realmente um assunto muito polêmico.
Mas só para cientistas, sexólogos, psicólogos e outros ólogos afins. Porque segundo me parece, para nós, simples seres sociais masculinos e femininos, o assunto está mais do que resolvido.
Mas é?
É. Simples: para as mulheres pau pequeno é uma droga. E para homens ele não existe.
Como assim?
Assim: esse papo científico que o tamanho do pau não importa, que é possível a mulher sentir prazer com um pinto pequeno é tudo balela que essa gente vai contar na tv e na sessão de ciência dos jornais para não traumatizar os homens. Eles devem acreditar que assim podem melhorar as condições de vida em sociedade. Só pode ser. Olha, eu não conheço uma só mulher, umazina sequer, que ache normal ou agradável ou uma delícia um homem com um pau pequeno - Imagine a cena. Olhos arregalados, cara de satisfação, palpitações: "Nossa amor! Que bigulinho!" - Esse papo deve colar bem com as cachorras, cabritas, passarinhas... cuja função do orgão de seus machos é soltar espermatozóides e só. Para nós, não. Não há nada mais vistoso e excitante do que um falo imponente e obeliscoso. O sexo começa aí. Agora os homens. Coitados. Tudo bem. O que lhes resta fazer senão acreditar nas baboseiras que falam os ólogos nos meios de comunicação? E eles fazem isso. Fingem que acreditam que não há a menor diferença entre um membro vistoso e aquele negocinho que carregam entre as pernas. Então, eles ignoram desse jeito a diferença eficaz e reduzem o fenômeno do pau pequeno a sua não existência. E assim, lá se vão eles pelas ruas, shoppings, noitadas, felizes nos oferecendo essas coisinhas.
*BLOG Só dói quando respiro 22 de junho de 2007
O blog mantido pela ANA “morreu” em novembro de 2007
video

9.8.09

FILHA, MÃE, AVÓ E PUTA

"Cliente não se trata como namorado. Mas foi dando ouvido a eles, que sempre dizem o que gostam e o que querem, que comecei a aprender os segredos da profissão. Homens são extremamente frágeis e toda a história de que são grandes conhecedores da sexualidade feminina é uma grande mentira. Eles sabem de suas vontades urgentes e suas fantasias. E estas, na maioria das vezes, são tratadas como algo a ser escondido, uma fraqueza que não deve ser dividida com ninguém. Inclusive e principalmente com as mulheres que eles amam."

Quando decidiu virar prostituta, no início dos anos 70, GABRIELA LEITE estudava Filosofia na USP, curso para o qual havia passado em segundo lugar. Ex-aluna dos melhores colégios paulistanos, leitora de Machado de Assis, Sérgio Buarque de Holanda e Gilberto Freyre, tinha um emprego de secretária e morava com a mãe. Foi observando a rotina das mulheres que trabalhavam nas boates próximas aos barzinhos que freqüentava nos arredores da faculdade – nos quais chegou a dividir mesas com o dramaturgo Plínio Marcos, o compositor Chico Buarque e o diretor teatral Zé Celso Martinez Corrêa –, que Gabriela sentiu-se atraída por aquele universo. Movida pela "curiosidade e pelo desejo de uma revolução pessoal", optou pela vida de prostituta do baixo meretrício, que assumiu sem qualquer constrangimento.
Neste livro, Gabriela conta em detalhes sua surpreendente trajetória, que culminou com a criação da famosa marca de roupas DASPU e da ONG DaVida, símbolos hoje reconhecidos internacionalmente pelo trabalho irreverente e ousado na luta contra o preconceito e a discriminação da classe. Com franqueza e coragem, a autora fala de todos os tabus que povoam e aguçam a curiosidade do imaginário coletivo em torno da rotina das prostitutas. As fantasias sexuais dos clientes, o contato forçado com o sadomasoquismo, a relação com homens casados e cafetões, o uso de drogas como atenuante da rotina, a repulsa a clientes, orgasmo, tudo isso é abordado pela autora com absoluta naturalidade.
*GABRIELA LEITE nasceu em São Paulo, em 1951. Começou a trabalhar aos 14 anos, aos 22 decidiu virar prostituta e hoje dirige a grife Daspu e a ONG Davida, fundada em 1992 no Rio de Janeiro. Gabriela defende com sua ONG o reconhecimento da prostituição como profissão.
FILHA, MÃE, AVÓ E PUTA Livro de GABRIELA LEITE – Editora OBJETIVA